8 «Do it’s» para vencer na Mediação Imobiliária.

8 «DO IT’S» PARA VENCER NA MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA HOJE E NO FUTURO

O mercado da Mediação Imobiliária tem vindo a sofrer várias alterações conjunturais, mas sobretudo tem vindo a mudar devido ao constante desenvolvimento profissional da área. Hoje e no futuro os profissionais da área devem saber que é imperativo ter o perfil certo para vencer na mediação imobiliária, mas não basta ter, o mais importante é mesmo fazer:

1. Ser Empreendedor

Vivemos num mundo de mudança em que todos temos de aportar para um projeto, mas não só, também temos de arriscar e investir. Na mediação imobiliária, uma equipa é e será sempre, uma equipa de empreendedores, caso contrário, o fracasso e insucesso farão no curto prazo a sua aparição. Cada um tem de fazer a sua parte e o todo fará o projeto, citando Pierre Villepreux, antigo jogador e treinador de rugby Francês, uma referência mundial neste desporto e um visionário. “já não há passageiros, todos teremos de ser tripulação”.

2. Ser Especialista Local, num Mercado Global

Os melhores médicos, são geralmente especialistas de algo, tal como os melhores advogados ou os melhores profissionais de qualquer atividade. Iluda-se quem pense que faz efetivamente Mediação Imobiliária em Portugal ou no mundo, a especialização está ainda a acontecer, e vamos continuar a evoluir neste sentido, e para isso, teremos de considerar pelo menos 3 tipos de especialização necessária: zona; produto e cliente.

3. Ser Relacional

Vivemos do mercado relacional, já não há preço, nem produto, nem serviço, tudo é bom, a diferenciação está apenas nas pessoas e na confiança que o mediador consegue transmitir ao seu cliente, mas sobretudo na capacidade de se conseguir relacionar. Por isso, aperfeiçoar e desenvolver estratégias e técnicas de Marketing Relacional e Marketing Pessoal é essencial.

4.Ser Inovador e Comunicador

Vender é acima de tudo comunicar, quem não sabe comunicar, vai originar ruído, e esse ruído vai danificar a sua primeira impressão. O mercado está saturado com os mesmos estilos de comunicação, é preciso inovar e trazer algo novo, diferenciador, que faça com que as pessoas o entendam e que entendam que sabe o que estas procuram e necessitam.

5. Perceber que o QI é importante, mas QE e QS são essenciais

Desde o primeiro momento deve basear toda a argumentação na forma como negoceia e trata objeções, deve utilizar a verdadeira essência, a inteligência emocional. A medição de inteligência mais forte hoje, e possivelmente no futuro, já não é o QI, que mede a capacidade de utilização das ciências lógicas, mas sim o QE, o Coeficiente Emocional, medido pela capacidade de saber utilizar os sentimentos e as emoções e o QS, o Coeficiente Espiritual, também denominado de 3ª inteligência, o qual se mede pela capacidade de encontrar um sentido para a vida. O mediador deverá desenvolver a capacidade de negociar utilizando competências comportamentais, como por exemplo, a empatia.

6. Ser Omnipresente para os outros

Com as novas tecnologias disponíveis, passámos do computador para o portátil, e hoje usamos o telemóvel e tablets como um verdadeiro posto de trabalho. Ao nível do software passámos das fichas em Excel, para sofisticados programas de CRM que até já tiram literalmente “cafés”.

Os GPS’s, as máquinas fotográficas digitais, as apresentações em vídeos etc. são hoje fundamentais, já para não falar da internet, das APP’s, das redes sociais, dos webinars, do Skype, do e-learning etc. Nos últimos 20 anos, o trabalho do mediador ficou muito mais facilitado, e possivelmente haverá muito mais evoluções tecnológicas que irão apoiar o seu trabalho, mas o mais importante, é que esta atividade é local, e tem a ver com pessoas, onde o contacto físico e presencial será sempre imprescindível.

7.Valorizar a ética

Desde o início da atividade, até aos dias de hoje, o respeito pelos outros deverá ser um princípio inalterável no presente e no futuro, e os que ainda não utilizam, ou passam por cima deste comportamento, diria eu que não farão parte do futuro desta atividade. Respeita os teus clientes, respeita os teus colegas, respeita os teus concorrentes.

8. Deve saber funcionar em rede

“E ao que parece são as tribos, não o dinheiro, nem as fábricas, que conseguem mudar o nosso mundo, que podem mudar a política, que conseguem alinhar um grande número de pessoas. Não porque os forçam a fazer algo contra a sua vontade. Mas porque eles se querem conectar.” Sefth Godin

A Mediação Imobiliária é um conjunto de “tribos” que muitas vezes não conseguem conviver pela dificuldade que têm dificuldade em aceitar as diferenças, ou porque ainda não evoluíram o suficiente. Ao percorrer o país de Norte a Sul e na Ilhas, fico com a certeza absoluta que o único caminho para a evolução e sucesso da atividade é a partilha, e não apenas de negócios e imóveis, mas sobretudo do conhecimento e de boas práticas. Funcionar em rede, não quer apenas dizer que se pertence a uma empresa de franchising, é muito mais do que isso, é ter a capacidade de dar para receber depois, sem nunca ficar à esperar de efetivamente receber. Iniciativas como MLS locais, certificações multimarcas como o CRS e outras associações que aproximem as pessoas independentemente do seu DNA, serão bem vindas, serão o futuro, serão a evolução desta fantástica atividade a que se chamamos de Mediação Imobiliária.

Artigo publicado na revista DO it ! 

 

 

(Visited 2 times, 1 visits today)