As regras para elevar uma marca, para além dos seus clientes tradicionais

1. Sentimento de pertença

Todas as religiões promovem um sentimento de união na comunidade. No seio desta comunidade, a crença pode crescer e cimentar as relações entre os membros da congregação, criando poderosos sentimentos de pertença.

 

2. Visão clara

A marca tem de reflectir um propósito transparente e deve ser representada por um líder mediático, ousado, determinado e carismático.

 

3. Inimigos

Um inimigo visível dá às pessoas a oportunidade de exibirem a sua personalidade e de se alinharem com a equipa ou o jogador com quem mais se identificam (incluindo os mais fracos).

 

4. Evangelismo

O evangelismo é um componente essencial da história e mitologia de qualquer religião — tal como deve ser para qualquer marca bem-sucedida que espere atrair novas legiões de consumidores.

 

5. Grandeza

As religiões e marcas que transmitem aos crentes e consumidores um sentimento de admiração e deslumbramento estabelecerão uma ligação permanente com eles.

 

6. Contar uma história

As marcas precisam de criar e depois estabelecer um produto que conte uma história à qual os consumidores possam associar as suas ideias e para a qual possam criar o seu próprio final.

 

7. Apelar aos sentidos

Nenhuma das marcas que existem atualmente pode gabar-se de apelar aos cinco sentidos. No entanto, quase todas as religiões de mundo podem. Todas as denominações têm as suas cores, os seus uniformes, os seus ícones e os seus cenários – tal como deveria acontece com as marcas bem-sucedidas.

 

8. Rituais

Se uma marca quiser transformar os seus leais consumidores tradicionais numa comunidade de crentes, tem de ter rituais. As celebrações tradicionais – independentemente de serem concebidas por astutos especialistas de marketing ou de terem evoluído ao longo dos séculos – centram-se sempre em rituais.

 

9. Símbolos

A comunicação iconográfica está em rápida expansão. Todas as religiões – e muitos jogos de computador atuais – giram em torno de ícones. Apenas um número reduzido de marcas integrou de forma consistente os símbolos na sua comunicação global.

 

10. Mistério

Os factores desconhecidos de uma marca revelaram-se tão inspiradores como os que são conhecidos. Quando mais mistérios e je ne sais quoi uma marca conseguir cultivar, mais sólida será a sua base para criar um produto muito procurado e admirado.

 

Texto da autoria do Martin Lindstrom no seu livro Brand Sense.

 

(Visited 57 times, 1 visits today)