SEJA UM TOP PRODUCER DE OPEN HOUSES VIRTUAIS

Por vezes, ser adepto de novas tendências tem as suas vantagens, afinal, quem adotou cedo a tecnologia e estratégia adaptada ao online, está agora na linha da frente e a gerar contactos usando já com algum nível de experiência, as soluções disponíveis para organização de Open Houses Virtuais em lives ou criação de experiências de Visitas Virtuais que permitem neste momento criar a tão desejada proximidade.

Não perca mais tempo a pensar como fazia, pense antes como pode fazer, inspirado num artigo que li do Emile L’Eplattenier, fundador do theclose.com, defini 5 passos simples para saber fazer Open Houses como um TOP Producer:

 

  1. MUST HAVE – SABER TRABALHAR COM TECNOLOGIA, OU DEIXAR TRABALHAR QUEM SABE. UM BOM SENTIDO ESTÉTICO, UM BOM SMARTPHONE, CÂMARA E MICROFONE SÃO ESSENCIAIS.

Se se sentir capacitado para fazer por si, ótimo, se preferir trabalhar com profissionais, também será uma excelente solução. O que realmente importa é que o resultado seja consistente e de qualidade.

Procure informar-se sobre o que existe para produção de lives, vídeos e fotos para visitas virtuais, ou procure um parceiro de negócio que o apoie a implementar uma estratégia.

 

  1. ADAPTE A SUA COMUNICAÇÃO. PRODUZA PLACAS DE OPEN HOUSE DESTACANDO O LINK DE ACESSO À VISITA VIRTUAL OU ANUNCIE UMA OPEN HOUSE VIRTUAL

Como se costuma dizer, o melhor é ir direto ao assunto e que melhor forma de o fazer, do que dar ao potencial interessado a possibilidade “entrar” sem compromisso. Junte um grupo de pessoas sem a limitação do distanciamento de segurança e sem limite de número de pessoas a assistir, poupança de tempo para o cliente, alta eficácia para o Agente, uma combinação perfeita.

Aposte na preparação do live com que pretende criar uma visita virtual e que terá de enaltecer todos os ângulos do imóvel criando um percurso de como a casa pode ser vivida.

De seguida, crie a forma como vai comunicar o acesso à Open House Virtual (placa, comunicação no exterior do imóvel, ou na zona, email marketing, destaque no site onde tem a angariação, redes sociais, grupos, etc), deve contemplar sempre uma página de acesso própria que permita num único passo o agendamento e recolha de dados de mail e telefone para posteriormente fornecer acesso ao live onde será feita a Open House virtual ao vivo, ou para receber o link da gravação da visita virtual caso não possa assistir ao vivo por mail, sms ou whatsapp. Na sua comunicação explique o processo de acesso e como deve comportar-se quando estiver a assistir ao live da Open House Virtual, lembre-se, para muitos será a sua primeira vez e por isso seja simples e claro na sua comunicação!

Atualize também a informação do imóvel e da iniciativa nos motores de busca e CRMs: angariações dinâmicas e com conteúdos relevantes para quem procura, tendem a saltar à vista.

Considere investir na promoção da iniciativa nas redes sociais, com alguns euros por dia pode ir medindo o interesse gerado e decidir como investir melhor.

Teste a tecnologia através da qual fará o live: Facebook live, zoom, live no instagram… se o estiver a fazer pela primeira vez, o melhor é fazer uma aprendizagem prévia por tentativa erro, aqui o importante é testar, testar, testar e preparar planos de contingência pois se algo falhar, terá de pensar rápido!

O mais importante será a criação de regras prévias para organização do evento, por exemplo se for via Zoom, deve tirar o som previamente a todos os participantes, apresente-se e apresente a dinâmica que vai utilizar remetendo questões para o chat do zoom, apoie-se com um membro de equipa para gestão de resposta às questões no imediato ou para gerir as respostas a dar no final, faça a apresentação em ecrã completo e crie um email de follow up no final com links de acesso à gravação e toda a informação sobre o imóvel.

E lembre-se, não é o único que está a fazer isto, por isso, quanto mais tarde agir, mais tarde obterá resultados.

 

  1. QUER GERAR TRÁFEGO PARA A SUA OPEN HOUSE VIRTUAL, PARTILHE.

Não partilhe apenas com targets dentro do seu círculo de contactos, partilhe com a comunidade de agentes imobiliários que podem ter potenciais compradores interessados na sua iniciativa, pode até fazer uma primeira Open House Virtual dedicada apenas a Agentes.

Quer inovar? Porque não propor uma iniciativa de Open Houses simultâneas na mesma zona ou com as mesmas características com colegas da sua Agência ou com Agentes com quem partilha angariações.

 

  1. NÃO ESTÁ APENAS A PROMOVER UM IMÓVEL, ESTÁ ACIMA DE TUDO A PROMOVER A SUA MARCA PESSOAL

Apresente-se, promova uma imagem cuidada, um discurso bem elaborado, seja um excelente anfitrião da sua Open House Virtual, pois hoje mais do que nunca, a sua imagem conta e tem de ser marcante porque tendencialmente, o primeiro contacto será à distância.

 

  1. NO FINAL, FAÇA UM SEGUIMENTO RÁPIDO, PERSUASIVO E VÁ DIRETO AO ASSUNTO

Prepare-se atempadamente. Antes de qualquer follow up deve saber o valor de venda dos últimos imóveis vendidos na zona que possam ser comparáveis com o que está a promover. Contacte os interessados assertivamente, ter um guião estruturado ajuda:

 

“Obrigado por ter assistido… o que gostou mais da casa?”

(espere pela resposta)

“Muito bem e o que gostou menos?”

(rapidamente identifica objeções e se perceber que não estão interessados neste imóvel em particular, deve imediatamente estar pronto para dar uma solução e procurar uma angariação que vá de encontro às características que o interessado procura)

“Viu a outra casa na mesma rua? Tem a característica que procura…”

 

As Open Houses virtuais exigem menos compromisso que uma Open House presencial, por isso no follow up terá maior dificuldade na conversão de interessados em potenciais clientes. Claro que o telefonema pode ser mais eficaz que um email para fazer o seguimento de um contacto, no entanto, analise sempre qual é o meio preferido pelo interessado e responda-lhe dessa forma: se ele ligou, ligue-lhe de volta, se lhe enviou um email, use o mesmo canal e deve fazê-lo até que consiga identificar qual a forma de comunicação que o interessado prefere para ser contactado pensando sempre que o primeiro contacto deve ser sempre encarado como uma porta fria em que tem de criar rapport e qualificar para transformar uma lead num fecho.