O carrinho está vazio.

Blog

“Quantas vendas perde por falta de comunicação?”

ACOMPANHE O MEU BLOG

Não existem artigos nesta categoria

O que é o DRS? O Futuro é Hoje!

17 Jan 2018

A génese do modelo de negócio DRS é baseada na evidência de que existe uma massificação de “agentes imobiliários” em todo o mundo, o que levou a um caos no sistema tradicional de angariações, no atendimento ao cliente final e por sua vez à consideração que se tem pelos profissionais do mercado. Em 20 anos de experiência como agente, mediador e construtor, constatei que 70% dos negócios concretizados surgiram através de referências e ajuda de entidades não ligadas ao mercado. Por esse motivo, desenvolvemos a primeira plataforma mundial que permite a qualquer pessoa ou empresa gerar contactos através de ferramentas criadas para o efeito, monitorizar esses mesmos contactos e ganhar dinheiro com isso.

De forma a assegurar um serviço exemplar aos clientes gerados, estes são qualificados pela DRS e posteriormente enviados à Elite Selection, uma rede própria de profissionais modelares que são convidados pelo seu historial de sucesso e quota de mercado. Para os profissionais tem sido uma aposta ganha, pois embora dividam a comissão com a DRS (que a utiliza para pagar os agentes e os Commercial Hubs internacionais, obviamente a fonte principal de rentabilidade da DRS), recebem clientes devidamente qualificados provenientes de todo o mundo. A tendência da utilização do REEVO POINT para resolver as necessidades imobiliárias está a crescer exponencialmente, conforme vamos desbravando novos mercados (abrimos recentemente na Suécia).

No WebSummit de 2016 fomos uma das Startups em destaque: chamaram-lhe uma solução win-win-win. O cliente final demora 2 minutos a explicar as suas necessidades através de um formulário simples, em vez de ver websites com listagens incorretas durante horas. É tratado de forma personalizada aquando da qualificação e é acompanhado por profissionais de renome, o que lhe proporciona segurança. Pode igualmente solicitar serviços relacionados com o imobiliário, como apoio jurídico e fiscal, construção, marketing package, etc. Para o AGENTE REEVO que gerou o contacto o benefício é claro – a garantia de ganhar os seus honorários pelas referências, as quais pode monitorar através da REEVO App ou website (socializámos o mercado imobiliário), com a certeza de um serviço exemplar prestado pela Elite Selection. Para os profissionais incluídos, o benefício é a oportunidade de receber leads qualificadas que têm o acompanhamento não só da DRS como também de toda a rede mundial.

O Select USA Investment Summit o ano passado em Washington foi o local onde o projeto ganhou força e recebeu um grande apoio de personalidades influentes do imobiliário mas também da área tecnológica. Estamos a implementar a Inteligência Artificial para ajudar na qualificação do cliente, e a integrar apresentação de propriedades com vídeos 360 VR (somente apresentamos opções através de vídeo). Além disso, estamos a estudar a integração de blockchain, antecipando essa tendência do imobiliário. Tudo isto na plataforma, que se tornou um sistema operativo único a nível mundial.

É caso para dizer: o Futuro é Hoje!

 

Artigo escrito por

Jorge Próspero dos Santos

Chairman DRS

+

Marketing de conteúdo através do email para agentes imobiliários

10 Jan 2018

 

O consultor imobiliário utiliza redes sociais para promover seu trabalho e imóveis disponíveis para venda. As imobiliárias em Portugal estão conectadas a sites de anúncio maiores onde colocam seus imóveis com intuito de divulgá-los a um maior número de pessoas que procuram casa para arrendar ou comprar naquelas condições. Como já ressaltei em artigos anteriores [1][2], estas estratégias são apenas o básico e não criam nenhum valor para angariar novos clientes. Você deve colocar-se no lugar deles, que já recebem uma quantidade absurda de emails com classificados todos os dias. O que você, como alguém que pretende vender ou comprar um imóvel, iria preferir: receber marketing direto e invasivo de uma imobiliária ou consultor que você não conhece, ou ter acesso a conteúdo interessante que o motiva a buscar mais informações sobre aquela imobiliária?

Para garantir que o número de leads e clientes para sua imobiliária cresça de forma consistente, a solução é o marketing de conteúdo, o qual cria valor para seus clientes. O email é um canal muito útil para levar este valor até o segmento escolhido se for bem utilizado. Para que a campanha seja eficaz, os emails devem ser direcionados para um grupo de pessoas que autorizaram o contato previamente e procuram o que a sua imobiliária tem a oferecer. Os emails também devem alinhar o assunto com o texto apresentando no corpo do email e trazer uma call-to-action objetiva, bem como acrescentar valor para o potencial lead.

 

# Como utilizar o email marketing

Primeiro gostaria de mencionar duas vantagens em utilizar o email como forma de engajar interessados em seu conteúdo. A primeira é que muitas pessoas ainda veem o email como um canal mais sério e avaliam melhor o que recebem antes de marcar como spam ou deletar o email. Nas redes sociais, por outro lado, o usuário muitas vezes sequer verá o que foi divulgado pela página da sua imobiliária ou se viu, muitas vezes não se lembra do que foi divulgado considerando o número elevado de outras empresas que aparecem no mesmo momento.

A outra vantagem é que você pode avaliar diretamente o sucesso do email, verificando quantos emails enviados realmente chegaram até a caixa de entrada dos destinatários, quantos foram abertos e, por fim, quantas pessoas abriram o link para seu site. Caso alguns de seus emails não estejam sequer chegando até a caixa de entrada de pessoas na sua lista, provavelmente é porque o servidor do correio está rejeitando esses emails. Isto pode ocorrer pelo conteúdo divulgado, que pode ser identificado como impróprio ou como propaganda, e neste caso poderá aparecer na caixa de promoções do gmail ao invés da caixa de entrada. Também pode ocorrer porque o servidor identificou o email da sua imobiliária como um remetente que anteriormente enviou emails identificados como impróprios pelo usuário. Neste caso, você pode utilizar um bom software pago para identificar porque o email foi rejeitado e modificar o título por exemplo. Evite títulos que contenham palavras como “Promoção”, “Oferta”, pois isto pode levar o servidor a identificar o email como propaganda ou impróprio, ou ainda pode levar o próprio usuário a perder o interesse no email e sequer abrir [3].

Importante lembrar que o email deve levar em conta o facto de que boa parte das pessoas utilizam o telemóvel ao invés de computador para verificar novos emails recebidos e pesquisar imóveis [4]. Conforme pesquisa realizada pela empresa Imovirtual, 43% das visitas ao portal foram realizadas pelo smartphone ou tablet e não pelo computador [5]. Portanto, seu e-mail deve ser adaptado para leitura também em dispositivos móveis de menor dimensão.

Além disso, cada lista de clientes ou leads deve ser cuidadosamente segmentada, por exemplo de acordo com fatores demográficos, incluindo renda ou faixa etária, ou com fatores comportamentais, que incluem motivações no momento de aquisição do serviço como preço, qualidade, lançamentos. Questionários são boas ferramentas para determinar estes fatores básicos, porém vale a pena personalizar ainda mais esta lista. A inclusão de um consultor online no site que esteja disponível para esclarecer dúvidas ou marcar visitas de interessados pode ser bem utilizada para captar mais informações relevantes que ajudarão a verificar se aquele interessado é um potencial cliente e enquadra-se na sua lista de contatos [6] [7].

Isto é o essencial para garantir que você possa utilizar o email de forma assertiva para angariar mais clientes ou manter um bom relacionamento com clientes existentes. Também é importante contratar um software de qualidade que contenha alguns requisitos mínimos e saber testar e avaliar resultados de envios anteriores para aumentar sua taxa de sucesso. Nos próximos artigos falarei sobre o software para emails e como medir os resultados por engajamento de pessoas com sua imobiliária.

 

[1]https://lindaestate.com/pt/blog/2017/09/20/Marketing-de-conteudo-e-Storytelling/

[2]https://lindaestate.com/pt/blog/2017/09/14/Inbound-Marketing-para-imobilirias/

[3] http://blog.uso.com.br/aprenda-a-montar-um-email-marketing-imobiliario-vendedor/

[4]https://publicidadeimobiliaria.com/o-uso-de-smartphones-para-pesquisar-imoveis-esta-em-alta-corretor-de-imoveis/

[5]https://www.dinheirovivo.pt/empresas/imovirtual-ha-cada-vez-mais-pessoas-a-procurar-casa-no-telemovel/

[6]https://www.imobex.com.br/comunidade/corretor-de-imoveis-como-segmentar-seu-publico-e-prospectar-novos-clientes/#.WfBZ8GhSw2w

[7]https://pt.slideshare.net/12kennedy/e-mailmarketingnomercadoimobiliario-38229127

 

Artigo publicado por Luísa Nogueira.

 

+

A Marca Pessoal

5 Jan 2018

Descubra aqui a essência para criar a sua Marca Pessoal. Dicas e Inspirações para criar e desenvolver a sua Marca Pessoal.

+

As regras para elevar uma marca, para além dos seus clientes tradicionais

3 Jan 2018

1. Sentimento de pertença

Todas as religiões promovem um sentimento de união na comunidade. No seio desta comunidade, a crença pode crescer e cimentar as relações entre os membros da congregação, criando poderosos sentimentos de pertença.

 

2. Visão clara

A marca tem de reflectir um propósito transparente e deve ser representada por um líder mediático, ousado, determinado e carismático.

 

3. Inimigos

Um inimigo visível dá às pessoas a oportunidade de exibirem a sua personalidade e de se alinharem com a equipa ou o jogador com quem mais se identificam (incluindo os mais fracos).

 

4. Evangelismo

O evangelismo é um componente essencial da história e mitologia de qualquer religião — tal como deve ser para qualquer marca bem-sucedida que espere atrair novas legiões de consumidores.

 

5. Grandeza

As religiões e marcas que transmitem aos crentes e consumidores um sentimento de admiração e deslumbramento estabelecerão uma ligação permanente com eles.

 

6. Contar uma história

As marcas precisam de criar e depois estabelecer um produto que conte uma história à qual os consumidores possam associar as suas ideias e para a qual possam criar o seu próprio final.

 

7. Apelar aos sentidos

Nenhuma das marcas que existem atualmente pode gabar-se de apelar aos cinco sentidos. No entanto, quase todas as religiões de mundo podem. Todas as denominações têm as suas cores, os seus uniformes, os seus ícones e os seus cenários – tal como deveria acontece com as marcas bem-sucedidas.

 

8. Rituais

Se uma marca quiser transformar os seus leais consumidores tradicionais numa comunidade de crentes, tem de ter rituais. As celebrações tradicionais – independentemente de serem concebidas por astutos especialistas de marketing ou de terem evoluído ao longo dos séculos – centram-se sempre em rituais.

 

9. Símbolos

A comunicação iconográfica está em rápida expansão. Todas as religiões – e muitos jogos de computador atuais – giram em torno de ícones. Apenas um número reduzido de marcas integrou de forma consistente os símbolos na sua comunicação global.

 

10. Mistério

Os factores desconhecidos de uma marca revelaram-se tão inspiradores como os que são conhecidos. Quando mais mistérios e je ne sais quoi uma marca conseguir cultivar, mais sólida será a sua base para criar um produto muito procurado e admirado.

 

Texto da autoria do Martin Lindstrom no seu livro Brand Sense.

 

+

COMO ESCOLHER O SEU AGENTE IMOBILIÁRIO?

27 Dez 2017

Portugal está na moda, Lisboa está no centro e o Porto está na linha da frente no que diz respeito a investimento imobiliário. Para comprovar este facto, são já várias as celebridades que escolheram Portugal como a sua principal residência, e são já vários os investidores estrangeiros que continuam a demonstrar interesse, investidores estes de mais de 30 países diferentes.

Mas a pergunta que se impõem não é se Portugal tem ou não tem potencial, é sim, como se pode investir em Portugal? Nomeadamente, com quem se deve aconselhar, com quem deve tratar de todo o processo e documentação, e quem será efetivamente o profissional certo para depositar a sua confiança?

Em Portugal a atividade de Mediação Imobiliária está já bastante evoluída, existem mais de 5 grandes marcas multinacionais a operar, com quase 20 anos de experiência de mercado, existem também várias empresas nacionais com grande capacidade e experiência local e que são hoje capazes de oferecer um serviço especializado e de excelência, sendo aqui a dificuldade não na escolha da empresa, mas na escolha da pessoa certa para o seu perfil de investidor e é esta a escolha que fará a diferença para quem procura uma experiência de serviço de topo.

Por trabalhar com milhares de Agentes Imobiliários de Norte a Sul do país, posso deixar aqui a minha opinião sobre como encontrar o Agente Imobiliário ideal para o acompanhar no seu investimento:

  1. Em Portugal e de acordo com a lei vigente, o Agente Imobiliário não pode tratar de aspetos jurídicos ligados ao processo de investimento, por isso certifique-se que o Agente é assessorado por um Gabinete Jurídico independente que lhe garanta o tratamento de todos os aspetos legais referentes ao imóvel ou imóveis que pretenda adquirir;
  2. O Agente Imobiliário terá de trabalhar sob uma licença denominada de licença AMI, ou através de uma empresa que tenha este licenciamento;
  3. Não se preocupe se o Agente lhe disser que não é especialista em Portugal, mas sim numa zona específica de Portugal, afinal, quem é especialista de tudo, não é especialista de nada!
  4. Peça-lhe referências e provas dadas em forma de testemunhos. Sempre que possível, verifique a veracidade destes factos, pode inclusive utilizar a internet para este efeito;
  5. Certifique-se que o Agente que está a contactar trabalha em parceria com outros Agentes e Empresas. O produto imobiliário neste momento é escasso, por isso será natural que este recorra a imóveis de parceiros com o objetivo de lhe dar a melhor solução, e isto será uma vantagem para si;
  6. Sempre que possível trabalhe com profissionais que tenham imóveis angariados em regime de exclusividade para que lhe garantam segurança e estabilidade no negócio que pretende realizar, evitando assim eventuais dissabores por exemplo na informação dada e posteriormente, na transação em si,
  7. O seu Agente tem de ser um networker, uma pessoa bem relacionada que interage regularmente nas redes socias ou fora delas para reforçar a afiliação a grupos específicos;
  8. O seu Agente tem de ser bem formado. Verifique no seu site ou nas suas redes sociais (principalmente linkedin) qual o seu percurso académico e qual a sua formação ao longo da carreira, um bom Agente está sempre num processo de formação contínua.
  9. Analise bem a proposta de valor que o Agente Imobiliário lhe apresenta, peça-lhe que faça uma apresentação presencial dos serviços que dispõem, se não tiver uma apresentação de serviços, será desde logo um mau sinal!
  10. Verifique se se identifica com a forma de comunicação utilizada pelo Agente, será sempre mais fácil criar uma relação de confiança quando se ganha uma relação de empatia.

 

Será igualmente importante para si e como investidor, a definição dos seguintes pontos:

  1. Defina bem o tipo de investimento;
  2. Apesar do país ser pequeno, centre-se em determinadas zonas, não procure em todo o país e não deixe de explorar fora das zonas habituais;
  3. Procure sempre a ajuda de um profissional reconhecido;
  4. Procure apoio legal;
  5. E principalmente, não perca o momento!

 

Artigo publicado na Revista Brick.

 

+

Gestão de Tempo

22 Dez 2017

Gestão de Tempo? Saber dizer que não e prioritizar são as duas regras fundamentais, quem é empresário deverá ainda utilizar uma métrica muito útil: valor/hora. Qual é o seu valor/hora?

+

MAS AFINAL O QUE É UM CONTACTO…

20 Dez 2017

 

Na atividade de Mediação Imobiliária, e em muitas outras, é comum falar-se de contactos de uma forma banal, principalmente na medição, quando nos referimos à obtenção de contactos para desenvolvimento do negócio. Quando falamos em contactos é também comum surgir a palavra prospeção, que no fundo é o verbo associado ao ato de obter contactos. A prospeção ativa implica uma ação direta de contactar alguém para conseguir a atenção da mesma e obter uma ligação, feita de forma passiva, a prospeção implica uma ação para dar uma informação ou para despertar a atenção através de algo relevante para quem estamos a contactar.

Até aqui tudo parece muito lógico, mas para conseguir um contacto, ou uma ligação válida que nos permita desenvolver uma conversa, muito rapidamente surge a palavra confiança. Como ganhar a confiança de alguém que não conheço, que conheço pouco, ou que até conheço bem, mas que necessita de acreditar no que lhe estou a propor, ou seja, na minha proposta de valor, em mim. Como fazer que um contacto confie em mim?

Recentemente assisti a uma formação onde se abordava a essência do contacto, e possivelmente, se relembrarmos quais são os conceitos básicos do que é um contacto, ou principalmente, de como fazer um contacto, poderemos dar origem a novas formas de contacto e com isso podemos ganhar a consciência de que a ação de contactar é muito mais complexa do que aquilo que parece.

O conceito de contactar alguém é já muito antigo, todos o conhecemos de forma empírica, implica pelo menos duas pessoas que utilizaram a sua capacidade de oralidade e os seus sentidos para o fazer. Nestes sentidos evidencio o de ver, o de ouvir e o de sentir. Para percebermos melhor a importância dos sentidos devo dizer que a comunicação é dividida da seguinte forma: cerca de 55% de linguagem corporal, 38% de linguagem para-verbal e apenas 7% de verbal, logo, a importância de aspetos ligados aos sentidos, como o aspeto físico, os gestos, e a forma como se aborda o outro, é de extrema importância.

Trabalhar a aparência física é importante, mas sempre acompanhando com o trabalho que há que fazer da parte mental, ou seja, será necessário estar disposto a contactar e a ser contactado. Para muitas pessoas será algo que assumem como normal, algo que é uma competência inconsciente, para outras será mais difícil e complexo, e por isso, procuram através de processos de mentalização, encontrar o seu modo de contacto. Em qualquer dos casos, e como referi, será importantíssimo estar na disposição de contactar e de ser contactado, todo o seu corpo deverá transmitir essa aceitação, caso contrário, será mais difícil conseguir ganhar a confiança através de uma boa comunicação, de certa forma será muito mais provável que a pessoa contactada diga que não à sua abordagem inicial.

O sucesso de uma boa comunicação dependerá sempre da vossa postura e vontade para o fazer, não basta acharem que o podem fazer, devem mentalizarem-se que querem fazê-lo através de auto motivação para que eventualmente consigam desbloquear a ação de comunicar e ser contactado, tornando-a ao longo do tempo numa ação autónoma, ou seja, inconsciente.

Estar centrado no Eu, no aqui e no agora poderá ajudar-vos a melhorar a vossa capacidade de trabalho para serem bem-sucedidos na vossa comunicação.

A importância do contexto entre as duas pessoas que estão a comunicar é também muito importante, têm de saber e perceber se é o momento certo, e aqui o sentido de oportunidade bem desenvolvido é muito importante, por isso, para além de estarem disponíveis para comunicar, terão de saber perceber quando e onde o vão fazer para que tenham a abertura e aceitação por parte do outro/a.

O ponto mais alto de um contacto entre duas pessoas será talvez o abraço. Se formos fazer uma análise mais pormenorizada dessa ação, vamos provavelmente encontrar alguma técnica ou até estratégia para que o abraço seja ser bem-sucedido. Estas estratégias poderão ser replicadas para outras ações de envolvência próxima, como por exemplo, o cumprimento do aperto de mão, ou outro equivalente. Analisando o abraço, verificamos que a experiência consciente de tal ação começa com a abertura de ambos os braços, depois, ficamos à espera de um sinal, e quando sentimos que a outra parte também está a corresponder aproximando-se, temos passado poucos instantes o abraço. É através da experiência que muitas pessoas criam para si a melhor forma de abordagem de um abraço.

Acredito que por exemplo, no cumprimento do aperto de mão e outros tipos, aconteça a mesma coisa que será de esperar sempre pelas intenções do outro.

A possibilidade da utilização da linguagem corporal em todo o processo de contacto desenvolve, logo nos primeiros instantes, a ideia clara de uma boa primeira impressão, e é assim que se começa a construir confiança. Talvez seja por isso que hoje as ações de rua como: o porta-a-porta, o contacto direto de rua; a abordagem de montra, ou de stand são mais relevantes, enquanto que ações de contacto indireto como, telefonemas, cartas ou email, têm vindo a perder relevância.

“a distância que eu tenho com outra pessoa, é a mesma que eu tenho de mim comigo mesmo” Richard Moss

Este artigo foi inspirado na ação de formação da Eva Wieprecht sobre o Modelo de Validação Humana da Virginia Satir.

 

+

A Criatividade

17 Dez 2017

O processo criativo e a sua importância na Mediação Imobiliária.

+

SIL, Notoriedade e Mediação Imobiliária…

13 Dez 2017

No passado mês de Outubro realizou-se mais uma edição do SIL – Salão Internacional de Lisboa que este ano de 2017 foi tendencialmente ocupado pela Mediação Imobiliária.

Como já é habitual, e desde os anos 90, marco a minha presença nas áreas em que opero, nos últimos anos tenho estado presente através da minha atividade de formação especializada para o mercado da mediação imobiliária tanto para me promover, como para apoiar a promoção de parceiros como o CRS Portugal em representação do mesmo, ou o SAM – Serviço de Angariação Múltipla, um projeto de MLS que assessorei e o qual apoio, que pretende trazer para o mercado uma ferramenta de partilha de angariações entre profissionais.

Simultaneamente decorreu em Barcelona, o Barcelona Meeting Point, basicamente o congénere do SIL na Catalunha, sendo que em Madrid realiza-se o SIMA – Salão Imobiliário de Madrid, o qual inteligentemente será realizado em datas não coincidentes com certames concorrentes. Marquei igualmente presença em Barcelona para apresentar o meu livro “ATRAER PARA VENDER” que está agora também disponível para o mercado espanhol, para mim foi um regresso feliz, pois já não marcava a minha presença neste evento desde 2001.

A minha comparação entre estes dois eventos acabou por ser inevitável e entre o SIL e o BMP, posso referir que o certame Lisboeta estava muito mais animado com uma presença forte da área da Mediação Imobiliária que este ano esteve acima dos 85% em relação às restantes atividades participantes, pelo contrário em Barcelona, acontecia o inverso, quem predominou foi essencialmente a atividade de promoção imobiliária na sua generalidade.

Voltando a Portugal e à Mediação, eu diria que o SIL é cada vez mais um evento para se ver e ser visto, muito baseado no posicionamento de marcas que reforçam aqui aquilo que é a sua estratégia de comunicação e ação, sem desprimor para as empresas e marcas que decidiram não estar presentes. Pessoalmente quis partilhar convosco a avaliação do que vi, para verificar se o parecer e o ser estão alinhados! Associei por isso a minha visão a dois indicadores: número de agências; e número de agentes.

Como já vem sendo hábito a RE/MAX ocupa a maior área de exposição dedicada ao setor da Mediação Imobiliária, e neste momento, da feira inteira, são mais de 1000 m2 de stand que pretendem demonstrar a força da marca na liderança do mercado. A ERA e a Century21 ocuparam os dois lugares seguintes no que diz respeito a área de exposição. A Century21 manteve a sua tradição dedicando os dias de lazer (sábado e domingo) à família e voltou a realizar o seu encontro de vendas nas mesmas datas. A destacar algumas redes outsiders estrategicamente posicionadas à volta do stand da marca líder, estou a falar da Predimed, Mais Consultores, Hall e iad.

A Keller Williams apostou num posicionamento de sobriedade de costas viradas para a sua maior concorrente, a RE/MAX, colocando-se numa posição mais central em relação à planta da feira, mas não passou despercebida pois as letras KW que a simbolizam sobressaíam.

As marcas associadas ao segmento prime do setor, marcaram a sua presença de forma distinta, para além da Porta-da-Frente e Engel & Völkers, destaco ainda o SIMGroup representado pela marca RE/MAX Collection.

A rede ComprarCasa apostou num stand muito original caracterizado pela presença de uma carrinha WV pão de forma, infelizmente ficou mesmo no final do salão.

Muito bem posicionada, a EasyGest ocupou um dos primeiros lugares com um stand de dimensões generosas e bem alinhado com o estilo de lojas desta marca.

Vinda da Consultoria Financeira, a Decisões e Soluções que está cada vez mais virada para o Mercado Imobiliário marcou igualmente presença neste evento.

Muito animado esteve também o stand da Veigas, que tal como outras marcas, voltou a crescer e ganhar lugar de destaque.

Tudo o que vos descrevi foi única e exclusivamente baseado na minha perceção visual, e desde já as minhas desculpas às empresas que não mencionei. De seguida, e tal como me propus para avaliar a presença de marca com a presença de mercado, passo a transcrever o ranking das principais empresas que operam em Portugal, tendo como primeiro critério o número de agentes imobiliários, e em segundo, o número de agências ou escritórios. Estes números foram obtidos com o apoio de uma pesquisa conjunta com a Domínio Binário.

 

MARCAS Nº AGENTES Nº AGÊNCIAS
RE/MAX 5.786 261
ERA >2.000 186
KW 1.519 21
Century21* 1.367 97
iad  537 1
Decisões & Soluções  509  89
Predimed  >400 44
EasyGest  300 37
ComprarCasa  200 30
Veigas  150 39

 

Os valores obtidos são aproximados e foram fornecidos pela empresa Domino Binário, num estudo efetuado no princípio do mês de Dezembro de 2017, com o seguinte critério: emails ativos de agentes imobiliários nos sites oficiais de cada marca; e agências ativas no site de cada marca.

Nota: *de referir que no caso da Century21 Portugal a marca não disponibiliza o endereço de email a cada agente que não tenha realizado a formação base da marca. Neste artigo foi referida a presença da marca HALL Portugal no SIL, quando de fato a marca esteve representada apenas com uma agência, a HALL versátil.

Artigo publicado no blog out-of-the-box.

 

+

Sente-se, como se Sente…

6 Dez 2017

 

A Matobra, Materiais de Construção e Decoração lançou recentemente a 2ª edição d’ As Cadeiras do Curso de Vida da Matobra. Nela, foram selecionadas 51 entidades e/ou pessoas de referência na vida da empresa e a cada uma delas será atribuída uma cadeira. As cadeiras foram fornecidas pela Manobra, cabendo a cada convidado a sua decoração personalizada.
As cadeiras serão no final objecto de uma venda solidária, revertendo a totalidade do valor obtido a favor da Cavalo Azul – Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência. Para memória futura, todas estas peças ficarão registadas em catálogo, que estará disponível para venda.

Massimo Forte participou nesta edição e explicou a sua obra:

“Esta cadeira tem uma história como todas as cadeiras do mundo, a ideia surgiu através da inspiração pelo slogan da minha marca pessoal “de Pessoas para Pessoas”. O Sentir é talvez das sensações mais inscreveis de qualquer ser e de qualquer ser humano, assim sendo uma cadeira refletida no sentir só poderia oferecer a quem a usa a sensação de Sentar-se, e aí surgiu a frase que deu origem ao nome do projeto “Sente-se como se Sente”. Em relação há personagem também que aparece por cima da cadeira, será mais uma humanização da cadeira desta vez em corpo de madeira como se estivesse a dizer a frase. Por fim a cor azul, representa a cor da minha marca pessoal, como tenho origens italianas a minha cor é o azul da família real italiana: os Saboias (Casa di Savoia); grandes responsáveis pela unificação italiana e criação do país que é hoje, é por essa razão que ainda hoje todas as equipa italianas jogam de azul.”

Outras obras podem apreciar-se na página do Facebook da Matobra.

 

 

 

+

Pesquisa sem resultados