A tecnologia Casafari no mercado imobiliário atual

Como vai a Tecnologia Casafari mudar o funcionamento do mercado imobiliário atual?

A tecnologia da Casafari trouxe e ainda vai trazer muitas vantagens a toda a atividade da Mediação Imobiliária, numa fase inicial será entendida como uma ferramenta de “arrumação” ou organização do mercado, no sentido de se entender melhor e principalmente de forma rápida o que está verdadeiramente à venda, quem tem esses imóveis à venda e portanto de que forma estão a ser comercializados e ainda quais os preços e tempos de comercialização. Numa fase posterior, mas rápida eu diria que ela vai evoluir para uma ferramenta essencial para angariação ao nível da argumentação do aconselhamento do valor de mercado e por consequência lógica também na venda neste caso na negociação quando se adquire. No futuro ela ainda poderá melhorar a forma como os profissionais trabalham entre si ao nível da partilha.

 

Na sua opinião, qual é a melhor característica da Casafari?

Neste momento a rapidez na obtenção da informação, a clareza como o faz, a democratização da informação e a neutralidade da ferramenta, ou seja, não estando ligada a nenhuma marca ou empresa do sector ela dá sem qualquer tipo tendência, a verdade do mercado.

 

Como pensa que se vai desenvolver o Mercado imobiliário português durante os próximos anos?

O Mercado português está a passar por uma nova mudança de ciclo, tendo em conta que os ciclos hoje são mais curtos devido à tecnologia e, portanto, à rapidez da informação, eu julgo que será expectável que daqui a 2 anos estaremos a começar um novo ciclo, possivelmente de retração, ajustamento ou mesmo estagnação não só dos preços, mas também do número de transações. Os agentes imobiliários e mediadores deverão adaptar-se e melhorar cada vez mais o seu serviço sobre a pena de desaparecerem, algo que já aconteceu num passado próximo. O novo desafio é de facto a incorporação da tecnologia na atividade. O negocio não irá mudar, a forma de como o fazer sim.

 

Quais acredita ser os maiores desafios para o mercado imobiliário português do futuro?

Como referi na pergunta anterior o grande desafio será a incorporação das novas tecnologias na atividade da Mediação Imobiliária, e ainda o aparecimento de novas empresas que já terão a sua essência na tecnologia e que poderão dar uma nova forma ao mercado, pois possivelmente virão com novas propostas de valor ao nível do serviço e com um pricing (valor dos honorários) mais baixo. Olhar para mercados mais maduros que usam já a tecnologia e o networking como a proposta de valor do seu negócio pode ser importante. A especialização é igualmente uma tendência a ter em conta.

 

De que modo e até que ponto os compradores estrangeiros têm uma influência no mercado?

O comprador internacional na minha opinião é volátil. Se formos analisar os nichos que lideraram os últimos anos o investimento estrageiro em Portugal encontramos de forma cronológica as seguintes nacionalidades: 2013 Angolanos; 2014 Chineses; 2015/16 Franceses 2017/18 Brasileiros, todos com motivos diferentes de interesses e com características diferentes. Quando se trabalha com estrageiros o primeiro grande produto que se vende é o país, neste caso Portugal e por isso os primeiros concorrentes são o resto dos países do mundo que oferecem boas oportunidades de investimento. Em termos gerais e por ordem de importância os investidores estrangeiros procuram as seguintes características num investimento imobiliário fora do seu país de origem: vantagens fiscais, vantagens administrativas (vistos), rentabilidade e segurança.

 

Pode dizer-nos alguns dos maiores desafios que encontrou enquanto consultor imobiliário?

A minha grande missão é a de dar à mediação imobiliária (pessoas que nela trabalham) todo o know how necessário para que os profissionais sejam cada vez melhores e para que a atividade seja cada vez mais bem reconhecida. Por isso nas minhas formações e livros a preocupação não é apenas técnica, é cada vez mais comportamental e com um grande sentido ético.

 

Recomendaria a Casafari? A quem e por que?

Eu já estou a recomendar e faço-o de forma quase inconsciente na maioria dos meus cursos. Para os agentes de vendedores (angariadores ) e agentes de compradores é fundamental como já referi em perguntas anteriores, a grande vantagem, além das outra que também referi será a de poupança de tempo, sempre muito precioso nesta atividade, mas não um tempo qualquer, a ferramenta permite uma gestão do tempo com qualidade, segurança e assertividade. Para os brokers, na análise do mercado e até no recrutamento de novos agentes a disponibilidade da ferramenta poderá ser uma grande vantagem competitiva para captar novos talentos para as suas equipas.