Como está Hoje o mercado?

 

Estamos já em pleno 2014 e, após alguma euforia no final de 2013, verifico que o mercado este ano irá continuar a focar-se em 3 vertentes fundamentais.

Parece evidente que essas vertentes serão:

• Mercado Internacional

• Mercado de Arrendamento

• Desinvestimento Bancário

Vamos por partes, em relação ao Mercado Internacional, há vários aspetos a focar, em primeiro, a necessidade de conseguirmos escoar produto através destes, pois a procura e liquidez em Portugal é fraca. O mercado hoje é cada vez mais global, as viagens de avião são baratas, as novas tecnologias aproximam-nos e a língua pode facilmente ser ultrapassável para reforçar a proximidade, existe facilidade na transferência de capitais, bem como uma melhoria substancial na burocracia. Mas atenção às barreiras culturais, pois não basta falar inglês ou até a língua de origem, os hábitos comportamentais podem ser diferentes e podem condicionar totalmente as formas de negociar e de tratar objeções.

Quanto ao Mercado de Arrendamento e apesar do abrandamento, podemos verificar que continua em força. A banca vai continuar a limitar os empréstimos hipotecários e alguns players nem vão querer estar ativos nesta área. Muito importante é também o facto dos portugueses estarem a ultrapassar a questão cultural de passarem de proprietários a inquilinos. Continua a existir uma grande oportunidade na Gestão de Arrendamentos, e começa a desenvolver-se o mercado de compra e venda de ativos arrendados. Mas atenção, na minha opinião a mentalidade ainda não mudou, se a banca começar a financiar novamente, os atuais e eventuais futuros inquilinos, vão querer ser de novo proprietários, o paradigma da posse não foi ainda destituído.

Muitos dizem que o desinvestimento da Banca abrandou, descansem, existem ainda muitos imóveis por aí, inúmeras carteiras que ainda não estavam disponíveis, vão passar a estar, muitas estão incorporadas em fundos de investimentos. Receio que as politicas comerciais de desinvestimento bancário não estão a ter os resultados desejados, e por isso, muitos bancos já perceberam alguns erros que cometeram no passado recente, corrigindo assim eventuais situações já este ano. O mediador é peça chave no escoamento destes imóveis, principalmente hoje mas também no futuro, quando efetivamente as carteiras se tornarem inevitavelmente mais específicas, e por isso, mais complexas na sua colocação, afetando assim também a rentabilidade de algumas empresas que se dedicam apenas a esta área. A tendência será efetivamente de diminuição do número de imóveis da Banca, por isso, não deixe de angariar e trabalhar o produto do mercado de venda e procura de habitação.

O CRS como certificação e formação internacional ajudará o mediador na sua atividade normal, e especificamente, em cada um destes 3 vetores. Como?

• Mercado Internacional – Por ser uma certificação internacional no mercado imobiliário e reconhecida nos principais países. Além disso, no módulo C do Curso CRS REAP, inclui um treino intensivo com a abordagem de 12 técnicas de negociação diferentes.

• Mercado do Arrendamento – No curso REAP, módulo A, poderá reanalisar o seu plano de negócio e colocar o Arrendamento como uma atividade no seu plano de negócio. No Módulo B de Marketing e D sobre “Trabalhar com Clientes”, a abordagem ao Arrendamento também merece destaque.

• Desinvestimento Bancário – Cada vez mais relacionado com o saber trabalhar com clientes, com o saber tratar as objeções dos clientes e com as técnicas de negociação, todos eles são temas presentes nos módulos C e D do CRS.

Não há mãos a medir, o mercado mudou, vai mudar e continuará a mudar. Quem não se aperfeiçoa e evolui, não irá continuar. A Mediação Imobiliária continua repleta de oportunidades, descubra-as, desenvolva as suas competências e vença em 2014, porque 2015 será certamente e novamente diferente!

Publicado na Newsletter CRS Portugal

(Visited 67 times, 1 visits today)